quinta-feira, 27 de dezembro de 2012

Belo Monte contorna críticas e deve ter 28 mil trabalhadores em 2013

Grandes números!!

* * * *


Belo Monte contorna críticas e deve ter 28 mil trabalhadores em 2013

Figueiredo, da Norte Energia: "Estamos com cronograma rigorosamente em dia"

A maior obra de infraestrutura do país se prepara para entrar em sua fase de pico. Depois de 540 dias de trabalho no rio Xingu, em Altamira (PA), a usina de Belo Monte encerra o ano com 20% de seu projeto concluído, 148 dias de paralisações e uma verdadeira operação de guerra instalada na Amazônia, com 18 mil funcionários. Até meados de agosto de 2013, esse batalhão atingirá 28 mil profissionais, quando chegar ao auge das operações.

"Estamos com o nosso cronograma rigorosamente em dia, apesar das paralisações que enfrentamos", disse ao Valor o diretor-presidente da Norte Energia, Duílio Diniz de Figueiredo. "O número máximo de profissionais que prevíamos era de 23 mil pessoas, mas ampliamos esse volume em mais 5 mil pessoas para garantir o cumprimento de nosso projeto."

O aumento das operações será suportado por um aporte bilionário que deve ser liberado ainda nesta semana. Até amanhã, o BNDES deve desembolsar a primeira parcela de R$ 5 bilhões do empréstimo total de R$ 22,5 bilhões que o consórcio tomou com o banco público, o maior financiamento da história já assinado pelo BNDES. O desembolso inclui ainda repasses a serem feitos pela Caixa Econômica Federal e o BTG Pactual.

Desde o início das obras de Belo Monte, em junho de 2011, o consórcio Norte Energia, dono daquela que será maior hidrelétrica do país, já desembolsou R$ 6 bilhões no empreendimento. Para 2013, afirma o diretor financeiro e de gestão do consórcio, Marcelo Perillo, mais R$ 6 bilhões estão previstos para serem aplicados.

No entorno dos canteiros de obra, a Norte Energia promete acelerar as ações compensatórias socioambientais. Uma das prioridades são as obras de Saneamento básico - água e esgoto -, que acabam de ser contratadas para os municípios de Altamira e Vitória do Xingu, diretamente impactos pela usina. A previsão é de que os trabalhos nas duas cidades estejam prontos até julho de 2014, com aportes de R$ 183 milhões. É uma exigência para que a Norte Energia possa iniciar o enchimento da represa de Belo Monte.

Para liberar o enchimento do lago, a Norte Energia terá ainda de concluir o reassentamento de pelo menos 4,1 mil famílias que hoje vivem em áreas a serem inundadas. A maior parte dessas famílias vive em condições precárias, sobre palafitas, na região central de Altamira. Dois terrenos foram adquiridos e a preparação do loteamento começa em janeiro, trabalho que será feito pela empresa S.A. Paulista. Na semana passada, a Norte Energia apresentou, para cerca de 20 empresas, as regras da licitação para contratar a empreiteira responsável pela construção das casas, trabalho que começa em fevereiro.

O pacote de ações compensatórias de Belo Monte soma R$ 3,88 bilhões. Desse montante, diz o diretor de relações institucionais da Norte Energia, João Pimentel, R$ 700 milhões foram aplicados.

Na semana passada, o consórcio construtor de Belo Monte, liderado pela Andrade Gutierrez, concluiu o fechamento da primeira das duas "ensecadeiras" previstas para a hidrelétrica. Trata-se de uma barragem circular provisória erguida a base de pedra e areia, usada para desviar o fluxo do rio e permitir que os trabalhadores avancem dentro da área onde será construída a barragem definitiva e instaladas as turbinas. Nas próximas semanas, será concluído o esvaziamento da ensecadeira e a retirada de cerca de 50 toneladas de peixes, para que os trabalhos avancem dentro da estrutura.

Ao lado do avanço das obras, seguem os protestos contra a usina. O mais recente deles foi endereçado ao presidente da Caixa Econômica Federal, Jorge Hereda. No contrato firmado com o BNDES, a CEF é agente repassador de R$ 7 bilhões para Norte Energia. Uma carta assinada pelas organizações International Rivers, Amigos da Terra e BankTrack, representantes dessas instituições pedem que a CEF esclareça que razões levaram o banco a participar do financiamento, uma vez que o empreendimento, segundo essas organizações, fere os Princípios do Equador, dos quais a CEF é signatária. A Caixa, acusa a carta, contraria conclusões de análises realizadas por demais bancos sobre a falta de enquadramento do empreendimento com o referido acordo de responsabilidade social e ambiental.

Os Princípios do Equador tiveram início em 2003, depois que o braço financeiro do Banco Mundial - International Finance Corporation (IFC) - e o banco holandês ABN Amro promoveram, em Londres, um encontro para discutir experiências com investimentos em projetos, envolvendo temas sociais e ambientais em mercados emergentes. Dez dos maiores bancos no financiamento internacional de projetos (ABN Amro, Barclays, Citigroup, Crédit Lyonnais, Crédit Suisse, HypoVereinsbank (HVB), Rabobank, Royal Bank of Scotland, WestLB e Westpac), lançaram as regras dos Princípios do Equador em sua política de concessão de crédito, processo que passou a incluir vários bancos brasileiros, como a Caixa.

Com 11,2 mil megawatts (MW) de capacidade instalada e valor total estimado em R$ 28,9 bilhões, Belo Monte deve representar 33% da expansão de capacidade de energia prevista para o país entre 2015 e 2019. A primeira das 24 turbinas da usina está prevista para iniciar operação em fevereiro de 2015 e a última, em janeiro de 2019.

Fonte: Valor Econômico - SP
Publicado em: 27/12/2012

sexta-feira, 21 de dezembro de 2012

SINDISERVIÇOS - 4ª Assembléia Geral da Data-Base

 

Dia 27 de dezembro (quinta-feira), às 17 horas

Estacionamento do Teatro Nacional de Brasília

Ao lado da Rodoviária do Plano Piloto

O Sindiserviços/DF convoca todos os Trabalhadores Terceirizados do Distrito Federal para a 4ª Assembléia Geral da Data-Base da Categoria, na qual decidiremos sobre o nosso Acordo Coletivo de Trabalho que vigorará a partir de janeiro de 2013. 
 
Esta nova Assembléia Geral terá características bem diferentes das anteriores. Pois, estará nas mãos dos trabalhadores terceirizados do DF a decisão do seu futuro e que está explicito na Pauta de Reivindicações da Categoria que foi entregue em setembro para os patrões.
 
Cada trabalhador tem o importante compromisso de demonstrar força e organização no seu local de trabalho e convencer seus colegas a participar efetivamente deste momento único e histórico das nossas vidas.
 
UNIDOS CONQUISTAREMOS O NOSSO FUTURO
TODAS E TODOS À ASSEMBLÉIA GERAL DA DATA-BASE
 

segunda-feira, 10 de dezembro de 2012

Trabalhadores Terceirizados Rejeitam a Proposta dos Patrões - SINDISERVIÇOS/DF

ResultadoData base 2016

Notícia ótima para um começo de ano!!


Mais de quatro mil trabalhadores terceirizados do Distrito Federal (DF), reunidos na 3ª Assembléia Geral da Data–Base realizada na quarta-feira 05/12, foram unânimes e não aceitaram a proposta dos patrões de reajuste de 12% sobre o piso da categoria e para os salários de até R$ 999,99.

Para os salários acima desse valor, a proposta é de reajuste de 10%, sendo o mesmo índice percentual para o tíquete alimentação que hoje é de R$ 16,00 e passaria para R$ 17,60.

Ainda na mesa de negociação com os patrões, a direção do Sindiserviços deixou claro que a proposta apresentada pelos patrões não atende os anseios da categoria.

A Assembléia Geral, além de homologar a posição do Sindiserviços, decidiu pela unificação da campanha salarial com os vigilantes que também estão em processo de negociação com os patrões.

O presidente da Central Única dos Trabalhadores (CUT/DF), Rodrigo Britto, autor da proposta, esclareceu que a maior parte dos patrões dos trabalhadores prestadores de serviços também são proprietários das empresas de vigilância do DF.

Está marcada para o dia 11/12 uma nova reunião com os patrões e a direção do Sindiserviços estará ratificando a posição dos trabalhadores terceirizados do DF por um reajuste de 34,14% e tíquete alimentação de R$ 25,00 e que deverá vigorar a partir de janeiro de 2013.

Também vai reafirmar as clausulas sociais contidas no Acordo Coletivo de Trabalho e a garantir os avanços propostos na pauta de reivindicações entregue para os patrões no dia 28 de setembro passado.




Por Robson Silva

quinta-feira, 6 de dezembro de 2012

Surdos, cegos e mudos, não iremos longe. E o debate, para ser profícuo, depende da
 nossa capacidade de admitir que nem sempre temos razão, e de reconhecer o valor de  ideias alheias.

x x x

 Eduardo Escorel, Cineasta