terça-feira, 24 de abril de 2012

Ricardo Arjona - Acompañame A Estar Solo


Gostei tanto dessa canção e passei quatro anos sem ouví-la...


Por que será?

~



A letra para cantar juntinho..


Acompáñame a estar solo
A purgarme los fantasmas
A meternos en la cama sin tocarnos
Acompáñame al mistério
De no hacernos compañía
A dormir sin pretender que pase nada
Acompáñame a estar solo
 
Acompáñame al silencio
De charlar sin las palavras
A saber que estás ahí y yo a tu lado
Acompáñame a lo absurdo de abrazarnos sin contacto
Tú en tu sitio yo en el mío
Como un ángel de la guarda
Acompáñame a estar solo

Acompáñame
A decir sin las palavras
Lo bendito que es tenerte y serte infiel solo
con esta soledad
Acompáñame, a quererte sin decirlo
A tocarte sin rozar ni el reflejo de tu piel a contraluz
A pensar en mí para vivir por ti
Acompáñame a estar solo

Acompáñame a estar solo
Para calibrar mis miedos
Para envenenar de a poco mis recuerdos
Para quererme un poquito
Y así quererte como quiero
Para desintoxicarme del passado
Acompáñame a estar solo

Y si se apagan las luces
Y si se enciende el infierno
Y si me siento perdido
Se que tú estarás conmigo
Con un beso de rescate
Acompáñame a estar solo

terça-feira, 17 de abril de 2012

Big Motherns Brasília - Vale compartilhar...

Em algum momento, todos esquecemos que somos milagres da vida... milagres da criação.


* * *


Big Motherns Brasília: Especial Semana das Colaboradoras: Escolhas de Amo...: Existe alguma coisa muito desejada e impossível para você? Leia o depoimento que recebemos desta mãe e sua emocionante prova de fé. "Porque ...



* * *



segunda-feira, 9 de abril de 2012

Big Motherns Brasília: Criança x Acidentes Domésticos


Só lembrando: Acidentes não acontecem por acaso.

Olho nelas!!






Big Motherns Brasília: Criança x Acidentes Domésticos: A gente sempre acha que na nossa casa nunca vai acontecer, que temos a casa sem perigo para nossos filhos e sempre escutamos de amigas, mãe...





"Olho por olho, e o mundo acabará cego."
Mahatma Gandhi 





quinta-feira, 5 de abril de 2012

FELIZ LIBERDADE!

Gosto do significado da Páscoa e prefiro acreditar que  a LIBERDADE nunca é tardia. Seu exercício, conceituação ou entendimento vem na hora certa.

Não viemos ao mundo para sermos “nada” ou “nada” representarmos (ou à passeio). Aqui temos a oportunidade do exercício.

Pelo que entendo, a liberdade está vinculada às experiências que temos e aos respectivos ciclos que fechamos. Exercitamos essa liberdade quando fazemos escolhas e tomamos decisões, quer certas ou erradas e colhemos a safra que plantamos. No plantio, no cuidado e espera, ou na sega, entenderemos os muitos porquês.

Acredito que a liberdade seja mais que um “estado de espírito” ou uma questão de “responsabilidade acrescida". Ela pode trazer consigo o medo ou ser, para muitos, um sonho distante e impossível.

Mas, acima de tudo, acredito que não possuo cadeias* que prendam a mim ou a minha consciência, porque “para a liberdade é que fomos chamados” (Gálatas 5:13). E quando falo de liberdade é liberdade plena, completa e concreta, porque alguém, em um gesto de generosidade e amor, disse que era possível ao homem ser livre, sem se ferir ou ferir ao seu próximo.

Possível? Sim. Fácil? Não. É um exercício diário.

Deixando de lado as normais “apologias à cruz”, sem deixar de lado a imensa gratidão, sugiro sempre olharmos para Deus e refletir, felizes ou claudicantes, sobre as Suas intenções e as nossas intenções, a fim não devermos a ninguém, nada, absolutamente nada, além do amor. Aí, sim, seremos livres.

Compartilho a canção "Que amor é esse" , no vídeo abaixo.

A todos, Boa Páscoa, ou melhor, “Feliz LIBERDADE”.

Magda

*Este texto foi escrito na  páscoa de 2010. Descobri, nesse ínterim, que cadeias vem e vão, na medida em que as permitimos.

quarta-feira, 4 de abril de 2012

Hilda Hilst


"Aflição de ser eu e não ser outra.
Aflição de não ser, amor, aquela
Que muitas filhas te deu, casou donzela
E à noite se prepara e se adivinha
Objeto de amor, atenta e bela.

Aflição de não ser a grande ilha
Que te retém e não te desespera.
(A noite como fera se avizinha)
Aflição de ser água em meio à terra
E ter a face conturbada e móvel.
E a um só tempo múltipla e imóvel
Não saber se se ausenta ou se te espera.
Aflição de te amar, se te comove.
E sendo água, amor, querer ser terra."


Hilda Hilst

terça-feira, 3 de abril de 2012

E por falar em Saudade II...


A saudade é o limite da presença,
estar em nós daquilo que é distante,
desejo de tocar que apenas pensa,
contorno doloroso do que era antes.

Saudade é um ser sozinho descontente
um amor contraído, não rendido,
um passado insistindo em ser presente
e a mágoa de perder no pertencido.

Saudade, irreversível tempo, espaço
da ausência, sensação em nós premente
de ser amor somente leve traço

num sonho vão de posse permanente.
Saudade, desterrada raiz, vida
que se prolonga e sabe que é perdida







segunda-feira, 2 de abril de 2012