domingo, 25 de dezembro de 2011

Feliz Natal e Feliz 2012

Planejei muitas coisas para o ano de 2011.

Estudar, mudar, esquecer rememorações, reverberações das audíveis palavras que disse e ouvi e que foram infrutíferas e fazer melhor. Muito melhor.

Pouco se confirmou. Pouco se concretizou.

Silenciaram-se os livros, a minha própria voz e, parece-me, que todo o resto.

Nada ouvi além ruídos oriundos dos meus medos.

Cá estou na tentativa de suplantar o tempo passado em um presente, mas, desta feita, sem novas ou grandes expectativas, pois, sinto-me, não morna, não em cima do muro, mas estática, inamovível em relação a um punhado de coisas. Então, sem riscos.

Entretanto,  apesar desta praticidade e comodidade, sinto ser necessário arriscar alguns passos, conhecer mais  o caminho  dentro deste imenso navio... Ir à popa, à proa. Descer e subir de volta ao convés.

E, se posta à prova, só me resta um lugar aonde ir. Afinal, saber onde fica o comando é necessário. Lá o capitão me dará as instruções.

De lá, poderei ver, também,  o infinito e terei a oportunidade de entender o significado de tamanha imensidão e que, definitivamente, o controle não é meu.

Dito isto, continuarei singrando os mares, até o meu porto-final.

Enquanto ele não chega (ou eu não o percebo), compartilho com vocês, meus amigos, o desejo de que cada oportunidade de viver melhor e o melhor seja agarrada, usufruída e também compartilhada, seja com quem for e em que tempo for.

Feliz Natal e que 2012 seja um ano abençoado para todos.

Magda

* * *


* * *

sexta-feira, 9 de dezembro de 2011

Lucidez 1, Por Clarice e Quintana




Clarice e Quintana: orgulho da lucidez  e da intensidade...

***

A lucidez perigosa

-

Estou sentindo uma clareza tão grande
que me anula como pessoa atual e comum:
é uma lucidez vazia, como explicar?
assim como um cálculo matemático perfeito
do qual, no entanto, não se precise.

Estou por assim dizer
vendo claramente o vazio.
E nem entendo aquilo que entendo:
pois estou infinitamente maior que eu mesma,
e não me alcanço.
Além do que:
que faço dessa lucidez?
Sei também que esta minha lucidez
pode-se tornar o inferno humano
- já me aconteceu antes.

Pois sei que
- em termos de nossa diária
e permanente acomodação
resignada à irrealidade -
essa clareza de realidade
é um risco.

Apagai, pois, minha flama, Deus,
porque ela não me serve
para viver os dias.
Ajudai-me a de novo consistir
dos modos possíveis.
Eu consisto,
eu consisto,
amém.

***

Clarice Lispector


***

"A lucidez é um acesso de loucura ao contrário."

Mário Quintana

***

Pensamento do dia


"É impossível solução nova a partir
das ilusões de sempre. "
 
 
 
Joaquim Carlos Freire