domingo, 25 de dezembro de 2011

Feliz Natal e Feliz 2012

Planejei muitas coisas para o ano de 2011.

Estudar, mudar, esquecer rememorações, reverberações das audíveis palavras que disse e ouvi e que foram infrutíferas e fazer melhor. Muito melhor.

Pouco se confirmou. Pouco se concretizou.

Silenciaram-se os livros, a minha própria voz e, parece-me, que todo o resto.

Nada ouvi além ruídos oriundos dos meus medos.

Cá estou na tentativa de suplantar o tempo passado em um presente, mas, desta feita, sem novas ou grandes expectativas, pois, sinto-me, não morna, não em cima do muro, mas estática, inamovível em relação a um punhado de coisas. Então, sem riscos.

Entretanto,  apesar desta praticidade e comodidade, sinto ser necessário arriscar alguns passos, conhecer mais  o caminho  dentro deste imenso navio... Ir à popa, à proa. Descer e subir de volta ao convés.

E, se posta à prova, só me resta um lugar aonde ir. Afinal, saber onde fica o comando é necessário. Lá o capitão me dará as instruções.

De lá, poderei ver, também,  o infinito e terei a oportunidade de entender o significado de tamanha imensidão e que, definitivamente, o controle não é meu.

Dito isto, continuarei singrando os mares, até o meu porto-final.

Enquanto ele não chega (ou eu não o percebo), compartilho com vocês, meus amigos, o desejo de que cada oportunidade de viver melhor e o melhor seja agarrada, usufruída e também compartilhada, seja com quem for e em que tempo for.

Feliz Natal e que 2012 seja um ano abençoado para todos.

Magda

* * *


* * *

sexta-feira, 9 de dezembro de 2011

Lucidez 1, Por Clarice e Quintana




Clarice e Quintana: orgulho da lucidez  e da intensidade...

***

A lucidez perigosa

-

Estou sentindo uma clareza tão grande
que me anula como pessoa atual e comum:
é uma lucidez vazia, como explicar?
assim como um cálculo matemático perfeito
do qual, no entanto, não se precise.

Estou por assim dizer
vendo claramente o vazio.
E nem entendo aquilo que entendo:
pois estou infinitamente maior que eu mesma,
e não me alcanço.
Além do que:
que faço dessa lucidez?
Sei também que esta minha lucidez
pode-se tornar o inferno humano
- já me aconteceu antes.

Pois sei que
- em termos de nossa diária
e permanente acomodação
resignada à irrealidade -
essa clareza de realidade
é um risco.

Apagai, pois, minha flama, Deus,
porque ela não me serve
para viver os dias.
Ajudai-me a de novo consistir
dos modos possíveis.
Eu consisto,
eu consisto,
amém.

***

Clarice Lispector


***

"A lucidez é um acesso de loucura ao contrário."

Mário Quintana

***

Pensamento do dia


"É impossível solução nova a partir
das ilusões de sempre. "
 
 
 
Joaquim Carlos Freire

sexta-feira, 30 de setembro de 2011

Mornidão e afins II

Neutralidade? Tô fora!!

---

"Eu me esforço para ser cada dia melhor,
 pois bondade também se aprende.
Mesmo quando tudo parece desabar,
cabe a mim decidir entre rir ou chorar,
 ir ou ficar,
desistir ou lutar;
porque descobri,
no caminho incerto da vida,
que o mais importante é o decidir."



Cora Coralina


quinta-feira, 29 de setembro de 2011

E por falar em saudade...


Aos saudosistas como eu...

****

A SAUDADE
é o que faz
as coisas
pararem no
Tempo.


 ****

(Mario Quintana - Poesia Completa
Preparativos de Viagem p. 773)



quarta-feira, 28 de setembro de 2011

Amazing Grace

Como já havia partilhado anteriormente, amo essa canção!!
Vamos apreciá-la, agora, nas vozes do Il Divo...




quinta-feira, 1 de setembro de 2011

E por falar em lembranças...



***
" Quero trazer à memória o que pode me dar esperança."
Lamentações de Jeremias 3:21
***



terça-feira, 16 de agosto de 2011

SPURGEON



"Você pode ocultar sua fraqueza de seu melhor amigo, mas não a esconderá de seu pior inimigo. "


Chales Haddon Supergeon

segunda-feira, 15 de agosto de 2011

Pais & Filhos



"Os nossos pais amam-nos porque somos seus filhos, é um fato inalterável. Nos momentos de sucesso, isso pode parecer irrelevante, mas nas ocasiões de fracasso, oferecem um consolo e uma segurança que não se encontram em qualquer outro lugar."

Bertrand Russell

E complemento: Tão difícil quanto perder os que mais  amamos é perder os que mais nos amam.

Magda


terça-feira, 9 de agosto de 2011

Quimeras...

"Das Utopias
Se as coisas são inatingíveis...
ora! não é motivo para não querê-las.
Que tristes os caminhos,
se não fora 
a mágica presença
das estrelas!"

Mário Quintana


Andrômeda, "pertinho" de Pégaso, entre muitos inatingíveis...


segunda-feira, 13 de junho de 2011

PESSOA


Alguém cantou uma boa explicação para os infortúnios do amor...
***
O meu medo é uma coisa assim
Que corre por fora
Entra, vai e volta sem sair
Não
Não tente me fazer feliz
Eu sei que o amor é bom demais
Mas dói demais sentir...
...
Olhar você
E não querer
É porque eu não quero que nada aconteça
Deve ser porque
Eu não ando bem da cabeça
Ou eu já cansei de acreditar...
***
Trecho da canção “Pessoa” de Dalto e Cláudio Rabello


terça-feira, 24 de maio de 2011

CAMPO MINADO - JESSÉ


Trinta anos. É o tempo que tem a gravação do LP “Voa Liberdade” do Jessé. Lindas canções dentre as quais destaco a faixa  “Campo Minado”.


Trinta anos. Foi o tempo que demorei para entender o que tanto me atraía nesta canção.

Veja parte da letra...


“Ah! Meu coração é um campo minado
Muito cuidado, ele pode explodir
E se depois de tão dilacerado
For desarmado por quem há de vir

Alguém que queira compensar a dor
Plantar o sonho e ver nascer a flor
Alguém que queira então me residir
E explodir meu coração de amor.”


Quer a canção completa em vídeo? Vide  http://www.youtube.com/watch?v=rF_CB_hWLGY

(Estribilho da canção Campo Minado, composta por Mário Maranhão / Mário Marcos / Maxcilliano )






segunda-feira, 23 de maio de 2011

segunda-feira, 16 de maio de 2011

Tocando em Frente

A vida sempre segue o seu curso...

****

...Todo mundo ama um dia
Todo mundo chora um dia
A gente chega
E o outro vai embora
Cada um de nós
Compõe a sua história
Cada ser em si carrega
O dom de ser capaz
De ser feliz...

(Almir Sater/Renato Teixeira)


****

PRECISA-SE


"Sendo este um jornal por excelência, e por excelência dos precisa-se e oferece-se, vou pôr um anúncio em negrito: precisa-se de alguém homem ou mulher que ajude uma pessoa a ficar contente porque esta está tão contente que não pode ficar sozinha com a alegria, e precisa reparti-la. Paga-se extraordinariamente bem: minuto por minuto paga-se com a própria alegria. É urgente, pois a alegria dessa pessoa é fugaz como estrelas cadentes, que até parece que só se as viu depois que tombaram; precisa-se urgente antes da noite cair porque a noite é muito perigosa e nenhuma ajuda é possível e fica tarde demais. Essa pessoa que atenda ao anúncio só tem folga depois que passa o horror do domingo que fere. Não faz mal que venha uma pessoa triste porque a alegria que se dá é tão grande que se tem que a repartir antes que se transforme em drama. Implora-se também que venha, implora-se com a humildade da alegria-sem-motivo. Em troca oferece-se também uma casa com todas as luzes acesas como numa festa de bailarinos. Dá-se o direito de dispor da copa e da cozinha, e da sala de estar. P.S. Não se precisa de prática. E se pede desculpa por estar num anúncio a dilacerar os outros. Mas juro que há em meu rosto sério uma alegria até mesmo divina para dar."


Clarice Lispector 

quarta-feira, 13 de abril de 2011

DÚVIDA

***
(...)  vale mais a pena ver uma cousa,
sempre pela primeira vez,
que conhecê-la. 
(Fernando Pessoa)

Será?? :/

***

terça-feira, 12 de abril de 2011

EXAGERADA? TAMBÉM SOU!


Mas teria eu a audácia de admiti-lo com tanta veemência? Creio que não.

Teria que brigar muito, discutir mais ainda, e dar uma de louca. Então, como disse em outro post que reeditei hoje, “Vou na valsa...A vida é tão rara..." (Lenini)  e ainda vou cantando... meio letárgica, mas está bom demais!  

 ***

"Exagerada toda a vida:

minhas paixões são ardentes;

minhas dores de cotovelo, de querer morrer;

louca do tipo desvairada;

briguenta de tô de mal pra sempre;

durmo treze horas seguidas;

meus amigos são semi-irmãos;

meus amores são sempre eternos

 e meus dramas, mexicanos!"


Clarice Lispector

segunda-feira, 28 de março de 2011

Perto do coração selvagem


Era sempre inútil ter sido feliz ou infeliz. E mesmo ter amado. Nenhuma felicidade ou infelicidade tinha sido tão forte que tivesse transformado os elementos de sua matéria, dando-lhe um caminho único, como deve ser o verdadeiro caminho. Continuo sempre me inaugurando, abrindo e fechando círculos de vida, jogando-os de lado, murchos, cheios de passado. Por que tão independentes, por que não se fundem num só bloco, servindo-me de lastro? É que eram demasiado integrais. Momentos tão intensos, vermelhos, condensados neles mesmos que não precisavam de passado nem de futuro para existir. Traziam um conhecimento que não servia como experiência - um conhecimento direto, mais como sensação do que percepção. (...) Uma vez terminado o momento de vida, a  verdade correspondente também se esgota.  Não posso moldá-la, fazê-la inspirar outros instantes iguais.  Nada pois me compromete."


Clarice Lispector – Perto do coração selvagem. São Paulo: Círculo do livro, 1980, p. 94

segunda-feira, 21 de março de 2011



"Fiz um acordo de coexistência pacífica com o tempo: nem ele me persegue, nem eu fujo dele. Um dia a gente se encontra."

Mário Lago


sábado, 19 de março de 2011

A DANÇA



***

Não te amo como se fosses a rosa de sal, topázio
Ou flechas de cravos que propagam o fogo:
Te amo como se amam certas coisas obscuras,
Secretamente, entre a sombra e a alma.
Te amo como a planta que não floresce e leva
Dentro de si, oculta, a luz daquelas flores,
E graças a teu amor vive escuro em meu corpo
O apertado aroma que ascendeu da terra.
Te amo sem saber como, nem quando, nem onde,
Te amo assim diretamente sem problemas nem orgulho:
Assim te amo porque não sei amar de outra maneira,
Senão assim deste modo que não sou nem és,
Tão perto que tua mão sobre o meu peito é minha,
Tão perto que se fecham teus olhos com meu sonho.
Antes de amar-te, amor, nada era meu:
Vacilei pelas ruas e as coisas.
Nada contava nem tinha nome.
O mundo era do ar que esperava
E conheci salões cinzentos,
Túneis habitados pela lua,
Hangares cruéis que se dependiam,
Perguntas que insistiam na areia.
Tudo estava vazio, morto e mudo.
Caído, abandonado, decaído,
Tudo era inalianavelmente alheio.
Tudo era dos outros e de ninguém,
Até que tua beleza e tua pobreza
De dádivas encheram o outono.

Pablo Neruda


***

sexta-feira, 11 de março de 2011

Orunamamu

Leo,
Obrigada pelo livro. Ele me foi muito útil!

***
"Uma vez, há muito tempo, muito longe, havia um alfaiate. Era um homem muito pobre.  Na verdade, pode-se mesmo dizer que "estava nas lonas." Tudo o que conseguia a partir do seu trabalho de costura necessitava ser aplicado no negócio. Um dia, este alfaiate viu que precisava de um sobretudo novo para o inverno que se aproximava. Não tinha dinheiro para um tecido novo e ficou desesperado. Então teve a idéia de ir à loja do tecelão. Lá, pegou todos os bocadinhos de tecidos inutilizados do chão e levou-os para casa, trabalhou a noite toda, cortando e cozendo até chegar de manhã. Daqueles trapos fez um novo sobretudo com as texturas e as cores mais incríveis. Com grande orgulho levava  o casaco onde quer que fosse, recebendo muitos elogios. Vestiu-o e tornou a vesti-lo até  tornar-se muito gasto. Mas quando pôs o casaco esfarrapado na mesa de cortar, viu que havia ali tecido suficiente para uma túnica. Mas uma vez cozeu durante a noite e de manhã tinha uma bela túnica colorida. Quando a túnica ficou gasta, fez um colete. Do colete, virou um cachecol e daí, um botão. Quando o botão estava a cair viu que tinha o suficiente para fazer uma história. E é esta que acabei de contar."

Mary Beth Washington ou, simplesmente, Orunamamu, a Pohsuan  Zaid

Extraído
Phil Cousineau
Editora Estrela Polar


Coincidência ou Destino?


quarta-feira, 9 de março de 2011

Isaac Bashevis Singer

"Nem o fogo da Inclinação pecaminosa arde para sempre. "

(I.B.S.)


Quer ler um pouco? http://veja.abril.com.br/livros_mais_vendidos/trechos/no-tribunal-de-meu-pai.html
Quer ler tudo?  No Tribunal de Meu Pai, de Isaac Bashevis Singer - São Paulo Companhia das Letras, 2008.
 


domingo, 6 de março de 2011

Sexo Frágil? Eu?

Mulheres,

Somos todas fortes, quando precisamos,
Bem resolvidas, quando o desejamos,
E não desistimos nunca dos nossos sonhos, se os temos.
Frágil? Eu? Você?
Ó Mundo,
Decante-nos e verás quem somos!
Deixo minha homenagem na  letra de Erasmo e Narinha!
  * * *  

Mulher
Dizem que a mulher é o sexo frágil
Mas que mentira absurda
Eu que faço parte da rotina de uma delas
Sei que a força está com elas

Vejam como é forte a que eu conheço
Sua sapiência não tem preço
Satisfaz meu ego se fingindo submissa
Mas no fundo me enfeitiça

Quando eu chego em casa à noitinha
Quero uma mulher só minha
Mas pra quem deu luz não tem mais jeito
Porque um filho quer seu peito
O outro já reclama a sua mão
E o outro quer o amor que ela tiver
Quatro homens dependentes e carentes
Da força da mulher

Mulher, mulher
Do barro de que você foi gerada
Me veio inspiração
Pra decantar você nessa canção

Mulher, mulher
Na escola em que você foi ensinada
Jamais tirei um dez
Sou forte mas não chego aos seus pés

Quer ouvir?



"Mulher com Leque", de Picasso

domingo, 27 de fevereiro de 2011

PRECE DE CLARICE

Indubitavelmente estupendo este texto.
Apreciem sem moderação...
Magda
 ***
“Fiz o que era mais urgente: uma prece.
Rezo para achar o meu verdadeiro caminho. Mas descobri que não me entrego totalmente à prece, parece-me que sei que o verdadeiro caminho é com dor. Há uma lei secreta e para mim incompreensível: só através do sofrimento se encontra a felicidade. Tenho medo de mim pois sou sempre apta a poder sofrer. Se eu não me amar estarei perdida — porque ninguém me ama a ponto de ser eu, de me ser. Tenho que me querer para dar alguma coisa a mim. Tenho que valer alguma coisa? Oh protegei-me de mim mesma, que me persigo. Valho qualquer coisa em relação aos outros — mas em relação a mim, sou nada.
É tão bom ter a quem pedir. Nem me incomodo muito se eu não for totalmente atendida. Eu peço a Deus para eu ser mais bonita — e não é que meu olho faísca ao mesmo tempo que meus lábios parecem mais doces e cheios? Eu peço a Deus tudo o que eu quero e preciso. É o que me cabe. Ser ou não ser atendida — isso não me cabe a mim, isto já é matéria-mágica que se me dá ou se retrai. Obstinada, eu rezo. Eu não tenho o poder. Tenho a prece."
  
LISPECTOR. Clarice. 1925-1977. Um Sopro de Vida.
Rio de Janeiro: Rocco, 199, p. 129


***

sábado, 26 de fevereiro de 2011

A MORTE DO CISNE por John Lennon da Silva

Recebi este vídeo de um grande amigo e achei o trabalho muitíssimo interessante.

Mais um vez, compartilho com vocês!!




John  também participou também de um programa de dança no SBT.
Se você tem coração forte, assista
. Se você se aborrece sobremodo com a telinha brasileira, deixe pra lá.

http://www.youtube.com/watch?v=RM2Aio9mvNE

quinta-feira, 24 de fevereiro de 2011

FILOSOFIA

“A arte reconduz suavemente à realidade as contemplações demasiado abstratas do teórico, enquanto impele com nobreza o prático para as especulações desinteressadas.”

Auguste Comte
Filósofo Francês
1798 - 1857

quarta-feira, 23 de fevereiro de 2011

Martha Medeiros



"Eu, que vinha passando
por uns dias ruins,
agora me pergunto:
do que mesmo
eu estava reclamando?
Cada um sabe o que lhe dói,
e todas as dores são respeitáveis,
mas às vezes é importante
a gente lembrar que a única
coisa de que precisamos
é ter ao nosso lado
as pessoas que amamos,
o resto é negociável,
e isso vale para artistas,
balconistas,
diaristas
e todos que vivem em alta velocidade,
sem perceber que,
no balanço das horas,
tudo pode mudar."

Martha Medeiros 

segunda-feira, 21 de fevereiro de 2011

Uma Canção, Uma oração

DEPENDÊNCIA DE DEUS

"Eu quero ter, Senhor, dependência completa
Da Tua pessoa e do Teu grande amor
Eu quero ter, Senhor, a consciência correta
Daquilo que esperas de mim pecador
Quero ter mente clara pra compreender
Tua inteira vontade e o que devo fazer
Que o Teu Espírito me convença e inspire
E eu viva sob a influência do bem.

Quero viver, Senhor, sem chorar o passado
Deixando o presente aos cuidados do céu
Quero esperar, Senhor, sem temer o futuro
Sabendo que em breve verei o meu Deus
Quero ser instrumento usado por Ti
Que por mais que eu faça nada venha de mim
Vem, santifica ó Deus, meus motivos e impulsos
Transforma, pois, o meu coração.

Toda ansiedade eu lancei em meu Jesus
Posso agora em Seu amor descansar, descansar
Eu quero ter, Senhor, dependência completa de Ti
Dependência de Ti."


Letra e Música: Mário Jorge Lima
Gravado por Regina Mota - CD "Pra Cima Brasil


sexta-feira, 18 de fevereiro de 2011

SIMPLES DESEJO



A Música do dia...

****

Que tal abrir a porta do dia
Entrar sem pedir licença
Sem parar pra pensar,
Pensar em nada...

Legal ficar sorrindo à toa
Sorrir pra qualquer pessoa
Andar sem rumo na rua

Pra viver e pra ver
Não é preciso muito
Atenção, a lição
Está em cada gesto
Tá no mar, tá no ar
No brilho dos seus olhos
Eu não quero tudo de uma vez
Eu só tenho um simples desejo

Hoje eu só quero que o dia termine bem
Hoje eu só quero que o dia termine muito bem

(Composição: Daniel Carlomagno e Jair Oliveira)


Quer ouvir?


terça-feira, 15 de fevereiro de 2011

Sigamos
esquecendo e
recordando,
vencendo no que
podemos,
perdendo do jeito
certo.
Sempre!

CHALITA, Gabriel; MELO, Fábio Pe. Cartas entre Amigos - Sobre Medos Contemporâneos. São Paulo.  Ediouro, 2009

sábado, 5 de fevereiro de 2011

Father Can You Hear Me - Tyler Perry (With Lyrics)



Lindíssima canção!






Caso queira ver o trecho do filme referente à canção do "O Diário de Uma Louca",  clique:

http://www.youtube.com/watch?v=OeAxm33NN-U

mas vale assistir o filme todo!

quinta-feira, 20 de janeiro de 2011

TEMPO DE PERDA (DE TEMPO)



quinta-feira, 20 de janeiro de 2011 - postado originalmente no Space
TEMPO DE PERDA (DE TEMPO)

Encontrei este poema na página  do Joca de Oliveira.
Gostei, por isso compartilho!

****
Chega o tempo
que é perda de tempo
perguntar ao mar
das ondas, das cores e
dos mistérios,
aos pássaros do voo
do canto,
Às árvores, dos frutos
E aos homens, do amor.


IVAN MARINHO, do livro ANTI-HORÁRIO



****